O estilo do Critics’ Choice Television Awards 2014

by Eduardo Lautert


Nossa semana mais uma vez termina com gente famosa e elegante. Dessa vez no tapete vermelho.

Aconteceu ontem, em Beverly Hills-Califórnia, o Critics’ Choice Television Awards, premiação organizada pela associação de críticos americanos voltada para séries e programas de televisão.

E como é de se imaginar, muita gente bem vestida passou por lá. Os destaques, você confere abaixo:

Vencedor na categoria "Melhor ator de série dramática" por seu papel em "True Detective", Matthew McConaughey seguiu a linha de seus figurinos de premiações. Smoking discreto, alinhado e uma barba de uns dois dias no rosto.

Destaque por onde passa devido ao seu enorme bom gosto para roupas, Matt Bomer, que também foi agraciado com o prêmio de "Melhor ator coadjuvante em um telefilme/minissérie" por "The Normal Heart" arrancou aplausos ontem e hoje pelo seu caprichado smoking.

O tempo passa e os atores que um dia foram crianças, já são adultos. A julgar pelos figurinos. O inglês Freddie Highmore é um exemplo disso. Boas escolhas nas cores e estampas para criar um figurino de gente grande.

Escolhas não tão certeiras fez o ídolo teen Colton Haynes. Com um terno exagerado, de tonalidade chamativa e textura brilhosa, somado ao contraste da camisa e da gravata, Colton foi além da conta. O que fica é o seu alfaiate, que caprichou no corte do costume.

Simplicidade é mesmo com ele. Por vezes exagerando no desleixo, Emile Hirsch usou o mesmo capricho do bigode para vestir um blazer interessante, com detalhes nas bordas e lapelas. O óculos que poderia ser menos achatado.

Na dúvida, não tenha dúvida. Aposte no preto e branco, como Shane West. É claro que uma boa conferida nas medidas do terno  não fazem mal algum. De resto, não existe como dar algo errado.

Como já era previsto, Jim Parsons mais uma vez papou o troféu de "Melhor ator em série de comédia"
pelo papel de Sheldon em "The Big Bang Theory". E mais uma vez, o se traje foi destaque. Estampa delicada e corte ideal no terno. Nada mais.