Aquecimento final da UEFA Champions League 2014

by Eduardo Lautert


Finalmente, mais uma sexta-feira para iluminar as nossas vidas. Porém, além do fim de semana mais do que merecido, sábado (dia 24) marca um dos dias mais esperados do ano para muitos homens.

Precisamente as 15:45, acontece, em Lisboa, a final da UEFA Champions League - o campeonato de times mais importante do mundo. Um dia em que os homens de todas as idades se reunirão em torno de uma televisão para acompanhar a decisão europeia. Em campo, Atlético de Madri vs Real Madrid.

E como este blog não se especializa em observações táticas e previsões a respeito de placares, cabe a nós uma análise de estilo. Por isso que já cabe a nós justificar as ausências de craques como Cristiano Ronaldo, Gareth Bale e Diego Costa, cujas habilidades na frente do espelho não condizem com as habilidades futebolísticas.

Vamos aos craques:

Quem poderia prever que aquele doido e agressivo volante apelidado de 'El Cholo', se tornaria um exemplo de elegância fora de campo. Com ternos caprichados e muita classe, Diego Simeone não nos faz lembrar o ex-camisa 8 da Argentina.

Ainda do lado de fora (isso porque figura como reserva no time de Simeone), temos o primeiro brasileiro da lista. Diego, eterno ex-Santos, mostra a mesma qualidade do pé direito na frente do espelho. Penteados modernos e barbas mal-feitas caprichadas dão o tom, mesmo que no banco de reservas.

No ataque, responsável por muitos dos gols do atual campeão espanhol, o camisa 9 David Villa. Jogador que até pouco tempo cultivava uma barbicha nada elegante acima do queixo, quase que uma marca registrada. O abandono da tal colocou o rapaz na lista dos craques do estilo da partida de sábado.

O último representante atleticano não poderia ser outro. O capitão, o camisa 10, o principal representante da bravura de Simeone em campo. Arda Turan, o dono de uma das barbas mais imponentes e elegantes do futebol mundial. Mesmo se deixássemos sua enorme habilidade com a bola no pé fora de fora, Arda ainda teria argumentos suficientes para figurar em nossa lista.

Passando para o outro lado do campo, vemos o motivo do embate ser considerado um dos mais parelhos dos últimos anos. Logo na casa-mata, um mestre da elegância italiana a serviço do futebol. Carlo Ancelotti, na companhia de ternos dignos de um craque da Itália, comanda o Real com muita classe.

O segundo representante brasileiro, a que tudo indica, deve figurar entre os reservas. Opções táticas de lado, nós somos muito mais Marcelo do que Fábio Coentrão (seu concorrente pela posição). Com o black power mais famoso da Espanha, Marcelo leva a brasilidade a campo com sabedoria, passando longe do estilo boleiro de muitos.

No meio-campo, responsável por desarmes precisos e lançamentos preciosos, temos o jogador mais familiarizado com a moda de todos. Isso porque Xabi Alonso não sai por aí posando de cueca e sobrancelha feita. Em campo, o espanhol demonstra a mesma habilidade com a bola que demonstra em editoriais e campanhas de grifes como Hugo Boss.

Fechando a lista, um recente membro dos bem vestidos. Há cerca de dois anos atrás, Sergio Ramos não ousaria pisar no mesmo campo que seu colega anterior. Pois não é que hoje ele, além de seguidamente elogiado pelos penteados e estilo fora de campo, também figura em campanhas Hugo Boss?