Com que mala eu vou?

by Eduardo Lautert


Quem nunca passou dificuldade em uma viagem por causa da mala? Muito grande. Muito pequena. Muito pesada. Muito pouco prática. Pois é aproveitando a semana da véspera do Carnaval que vamos dedicar posts sobre viagem, o que levar, o que não levar e onde levar.

No quesito das malas, o importante é saber qual é a necessidade. Se for uma viagem curta, para passar um ou dois dias, não dá para levar um malão que só atrapalha. A gente acaba levando mais do que deve e ocupa um espaço do cão. Em compensação, se for uma viagem grande, o melhor é abrir mão do espaço e apelar para uma mala maior e não correr o risco de esquecer o calção de banho.

Para viagens de um ou dois dias (famoso bate-volta), uma pequena mochila, ou bolsa - daquelas de usar atravessado, já quebram o galho. Cabe o essencial é bastante prático.

Em casos de viagens um pouco maiores, ou que necessitam mais espaço (por causa de casacos e roupas mais volumosas), procure optar por mochilas maiores, ou bolsas de tamanho médio. As mochilas também oferecem praticidade para serem transportadas, além de dispor de vários compartimentos e bolsos para notebooks, escovas de dente e até roupa suja.

Para aquela viagem de uma semana para a praia, de carro ou ônibus, uma bolsa grande, tipo aquelas de exército, ajudam bastante. Oferecem uma boa quantidade de espaço, além de serem moldáveis ao conteúdo, ou seja, você não precisa ficar socando meias e cuecas nos cantinhos. E como você não precisa carregá-la o tempo todo, vale a pena.

Agora, se você vai aproveitar o Carnaval para tirar aquelas férias e viajar para bem longe, o mais indicado são as tradicionais malas com rodinha. Mais resistentes aos maus tratos dos funcionários da companhia aérea, elas ajudam bastante, pois o peso todo não fica depositado no ombro ou nas mãos, como uma mochila ou uma bolsa. Ainda mais para quem vivem em um país onde pegar fila em aeroporto é uma atividade diária.