O estilo do Lollapalooza Chicago 2014

by Eduardo Lautert


Nada como uma segunda-feira revivendo os melhores momentos do final de semana. Ainda mais quando o final de semana contou com as principais bandas do mundo em um dos festivais de música mais tradicionais da atualidade.

Como falamos na sexta-feira, a edição americana do Lollapalooza aconteceu nos dias 1, 2 e 3 de agosto. No palco, bandas de todos os cantos do mundo. Todas devidamente trajadas, claro. Algumas delas a gente repassa aqui embaixo:

Uma das atrações mais aguardadas do evento, os Arctic Monkeys não decepcionaram. E não estamos falando só do som. O visual 'Charlie Harper' do vocalista Alex Turner esteve menos presente. Um fato a ser comemorado.

Sumidos desde o estouro que viveram há cerca de 3 anos atrás, o Foster the People mandou ver nos hits nesse Lollapalooza. A jaqueta perfecto fez bem o papel de cobrir com estilo a camisa exageradamente estampada.

Sempre uma atração a ser notada, os ingleses do Bombay Bicycle Club mostraram a simpatia e o talento de sempre. Seja por trás das cativantes canções, ou por trás do visual indie de sempre.

Em uma pegada mais grunge, os rapazes do Temper Trap também fizeram bonito no Lollapalooza. Legítimos roqueiros do século 21.

Atitude e originalidade são marcas registradas da turma do Avett Brothers. Estilo folk levado do som para o figurino com bastante sabedoria.

Também sumidos depois de ser a sensação do rock e do folk no meio da década passada, os ingleses do Kooks mostraram que ainda têm o que é preciso para ser considerados uma das melhores bandas de uma geração. No som e no estilo.

Ídolo dos fãs de blues e surf music, John Butler mostrou que não é preciso se vestir de forma desleixada para tocar esse gênero.

Em uma versão cada vez menos grunge da apresentada no seu surgimento, o Cage the Elephant de Matt Shultz, mostrou a tradicional animação e mistura de referências desde o som até o figurino.

Voltando com tudo aos holofotes depois de alguns anos descansando, os americanos do Interpol mostram o motivo de terem deixado tanta saudade. Performances de enorme talento e o posto de uma das bandas mais elegantes em cima do palco.

Fazendo lembrar aquele Kings of Leon do final da década, Caleb e companhia voltaram a tomar jeito, caprichando mais no visual e nas apresentações ao vivo. Bom para todo mundo.