O estilo do Grammy 2015

by Eduardo Lautert


A semana pré-Carnaval mal começou e já tem gente desfilando pelas Sapucaís da vida de fantasia. Sorte nossa que teve muita gente elegante desfilando também pelo tapete vermelho do Grammy Awards, que aconteceu ontem, em Los Angeles.

Separamos aqui os destaques. Nem todos eles positivos, claro.

Esse ano não teve chapéu de guarda florestal. Mas teve smoking branco com bermuda e sapato branco. Dá até pra ver que Pharrell tem noção de estilo, mas essa necessidade de ousar demais não tá com nada.

Bicho-papão da noite ao vencer 4 troféus, Sam Smith realmente se vestiu como um vencedor. Cortes modernos, nada de estampas ou brilhos e um penteado digno.

Beck é um cara que sempre foge da curva. E sempre no melhor sentido da expressão. Aquilo que falamos sobre estampas nunca se aplica com ele. É só reparar na categoria com a qual ele veste uma camisa de estampa paisley/cashmere para concordar que é dele o posto de um dos destaques da noite.

Famoso por seu bom gosto na escolha dos figurinos, Aloe Blacc mais uma vez não decepcionou. Cores, cortes e acessórios todos em perfeita sintonia. Podia ter escolhido um sapato menos chamativo, né?

Ainda decifrando o figurino dos caras do Cage the Elephant... Coloquemos assim: criativo, com claras evidências de que o alfaiate da banda anda afiado. Só faltou sintonia e moderação na hora de misturar tantas cores e estampas.

É, Sir Tom Jones still got it. O cara por trás de uma das vozes mais características do Reino Unido mostra que nem os 74 anos nas costas vão impedí-lo de arrancar elogios e aplausos pelo seu talento com a música e claro, com os ternos.

Black Keys é Black Keys. Patrick e Dan sabem mesmo se comportar em qualquer situação. Seja no palco, de frente para dezenas de milhares de pessoas, seja no tapete vermelho do principal prêmio da música do ano.

E os Arctic Monkeys são os Arctic Monkeys. Ao mesmo tempo que passam muita classe e elegância, escorregam em detalhes como o corte de cabelo (Jamie, o segundo da esquerda para a direita, é o exemplo da vez) e na quantidade de botões abertos na camisa. Tudo bem, eles ainda têm crédito.

Apresentamos o cara mais elegante da noite. John Mayer não nos dá alternativas a não ser agradecer por tamanha elegância em meio a tantos escorregões e erros rudes.

E para terminar, um grande salve para Angus Young e seus comparsas de AC/DC, que abriram a cerimônia em meio a uma viagem pela `Highway to Hell' no mais popular, inesquecível e, por que não, elegante figurino.